E os meus amigos, cadê?


Como é difícil ficar do lado do bem. Algumas vezes temos a certeza de estarmos sendo testados pelo outro lado (seja o capeta, seja o demônio, seja o que você acredita que é o "mal". Eu acredito na energia negativa).

Às vezes parece mais fácil ser filho da puta, às vezes parece mais fácil ganhar em cima da ingenuidade dos outros, às vezes parece mais fácil dar uma de esperto, às vezes parece mais fácil fazer parte da máfia.

É tão difícil tentar fazer as coisas pelo lado correto. É tão difícil tentar fazer a vida seguir seu curso normal. Tem sempre um idiota tentando cavar um buraco para te fazer cair. E confesso para vocês uma coisa, com a vida no circo isso tudo fica mais difícil, porque uma vez que nos deparamos com idiotas, não temos muito para onde fugir, eles estarão sempre lá, perto de você.

Conviver com estas pessoas é um aprendizado constante. Quando tudo vai bem, é muito fácil fazer de conta que eles não existem, mas quando eles tentam cantar de galo no nosso terreno, é difícil segurar a raiva. Mas de uma coisa estou certa, eles podem tirar minha paciência, mas eles nunca poderão tirar minha capacidade criativa e minha alegria e certeza de ser uma pessoa do bem.

Estou me deparando com uma situação nova. A "não confiança". Não saber em quem confiar não saber com quem contar, cair no conto dos outros, ver grupos agindo com atitudes baixas e covardes. Muito covardes. Sabe aquela frase: “a ocasião faz o ladrão”. Pois aqui o ladrão também faz a ocasião. As pessoas têm criado situações para favorecer seus grupos e está ridículo ver isso de perto.

O pior é saber que estou sozinha para encarar tudo isso. Nao faço parte de um lado ou de outro.

by Fabi. Quadro: Jimmy Spa. Taipei
Sinto, mais do que nunca, falta de minhas/o amigas/o, falta daquelas pessoas que sabemos que podemos confiar e ligar a qualquer momento. Mas elas não têm idéia do quanto sinto falta delas. Porque parece que para os outros a minha vida fica resumida ao "fantástico mundo das viagens". Se elas/eles soubessem o quanto penso nelas/o e quanto sinto falta delas/o todos os dias (na alegria e na tristeza). Quantas vezes sinto vontade de pegar o celular, ligar para uma delas/o e desabafar, chorar, rir como uma criança, marcar uma ceva!

O circo não nos permite criar raízes, por causa das constantes mudanças. Não é a mesma coisa que morar fora do país em outra cidade. Aqui temos amigos rápidos, que muitas vezes marcam profundamente! Mas não temos aqueles que olham para nós e dizem: “o que aconteceu? Tua cara não tá boa?” Não temos aqueles que ligam e perguntam: “você está melhor?”

A sorte é que conheci uma pessoa incrível que tenho confiado todas as minhas angústias e segredos: Eu. Pela impossibilidade de fugir de mim mesma tive de encarar a Fabi como nunca encarei antes. E tenho gostado muito da presença dela, e me orgulhado muito também. A turnê “me obrigou” a análise constante de meus atos e minhas atitudes, sem ter a chance de perguntar para os outros o que eles acham. Já não dependo da opinião de ninguém, e isso é positivo. Mas continuo e sempre continuarei, sentindo falta de minhas/o amigas/o.

Uma vez o Fabri disse que quando começamos a andar pelo mundo, duas coisas são inevitáveis: a primeira é que vamos estar sempre conhecendo pessoas incríveis por todas as partes. E a segunda (conseqüência da primeira) é que, em qualquer parte do mundo que estivermos, estaremos sempre com saudade de alguém. É, é verdade.

17 comentários:

  • Anônimo | 21 de maio de 2011 11:18

    Amada...

    Senti muito isso pelas minhas andanças e queria poder estar pertinho como estivemos este verao do hemisferio sul... é sempre bom compartilhar, ouvir e sentir que tu segue o teu caminho, muda, transforma e é transformada - um constante, sem nos darmos conta mas sim, o tempo todo... mesmo que minimamente com experiências que parecem muito simples - e segue sendo uma pessoa maravilhosa, daquelas que é sempre bom estar perto.
    Força pra aguentar a saudade e seguir vivendo, entre maravilhas e horrores, o que deve ser a vida de seguir o circo.
    Love you, xuxu...
    Beijoca grande
    Xexeu

  • Ni | 21 de maio de 2011 12:51

    Queri,
    Tem gente que se espremer só sai um caldo verde escuro, mal cheiroso...Essas pessoas não merecem nem um bom dia...
    Ficar sem raiz, sem tem pra quem correr quando dá aquela vontade de ter um amigo por perto, dói muito, eu sei...eu sinto isso ainda, não fiz amigos por aqui, só tenho o Fabiano mesmo, e aprendi a me ouvir e me consolar quando é preciso.
    Fica bem aí e estamos esperando vocês (tanta coisa pra contar do casamento, aiai...).
    Gosto muito de você, concunhada ;)
    Beijão!

    PS: O blog PsychoHeart é fechado, mas eu importei ele pro Beloved, daí é só ir nos arquivos que ta tudo lá:p

  • Edilse | 21 de maio de 2011 14:44

    Fabi,
    Sei que é difícil e às vezes a gente sobe pelas paredes com algumas coisas que acontecem, mas casualmente, li isto hoje:
    "Talvez a razão de todas as portas terem se fechado, seja para você poder abrir uma que te leverá ao rumo perfeito.
    De: Amar faz bem"

    Não esqueça que estamos aqui e gostamos muito de ti.

    Um dia a menos........
    Beijo muiiito grande!!!!

  • Fabi Magni | 22 de maio de 2011 06:28

    @Xexeu: que alegria te ver por aqui!! Adoro tua presença e teus comentários, esquentam o coraçao!

    @Ni: Tu sabes bem o que é isso, nao é fácil mesmo, mas vamos seguindo e acreditando!! Quero saber tudo do casamento!! Obrigada pelos escritos! Beijocas!!!

    @Titi: Muito obrigada pelas lindas palavras!! Nao vejo a hora de chegar no Brasil, trabalhar e viver no meu país!! beijocas grandes com muito amor!! obrigada pela leitura constante!!

  • Fernanda Barcellos | 22 de maio de 2011 09:56

    Sem me conhecer conseguiu me descrever.


    "Às vezes parece mais fácil ser filho da puta."

    Certamente é, mas como temos capacidade pra complicar, não vamos nos aliar aos filhos das putas! hehe

    Beijos meus,
    Te acompanho.

  • Guilherme | 22 de maio de 2011 17:17

    Quando levamos o coração pra tomar sol..
    Quando o sorriso é maior que a própria boca..
    Quando a gratidão vai além do obrigado ou qualquer palavra pálida..
    .. descobrimos que nunca estamos sós!

  • Fabi Magni | 23 de maio de 2011 08:59

    @Fernanda: com certeza! acho que todos nós somos testados diariamente... mas aqueles que tem a criatividade e força ao seu lado, conseguem resolver as situaçoes de maneira calma, justa e inteligente! Estamos em contato! Já sou sua seguidora :)) beijooo!

    @Guilherme: adorei tuas palavras, leves, intensas... quando temos a criatividade e capacidade de ser feliz (com o simples) dentro de nós estamos sempre acompanhados. Obrigada pelo comentário! Continuarei acompanhando teu blog! Até!

  • sayô | 23 de maio de 2011 09:11

    Não tenho medo de estar só.
    Tenho medo é de estar vazia.
    Vazia de mim. (Van Luchiari)

    Que a sua companhia seja doce ao ponto de atrair somente o bem!

    Obrigada pela visita!
    Um beijo
    Sayô

  • Carol | 23 de maio de 2011 10:57

    Fabi! Minha amiguinha dos olhos de Bob Esponja, minha amiga menina maluquinha!
    Tô sempre me ensaiando pra fazer comentários no teu blog, escrevo, apago, escrevo, apago. Mas só o título desta postagem foi suficiente pra estar cheinha de comentários, ainda mais pra ti!
    De tudo, o mais bacana tem sido este autoconhecimento que estás se permitindo, que volta e meia voltas a falar e este diálogo (teu contigo) tem me enchido de vontade me desafiar, passei a falar mais comigo depois que comecei a ler o blog. Coisas que amigas psicólogas inspiram nos outros, hehehehehe.
    Lembro de coisas parecidas que vivenciamos juntas com o que trazes neste email em espaços que participamos na luta por um mundo melhor...e que o mal permeia toda a prática do bem, basta ficar clara qual a real intenção do outro né amiga...um monte de coisas me vem na lembrança agora...
    Siga em frente querida e saiba que estás sempre aqui, nos sonhos,nos pensamentos e num coração ancorado num pedacinho de mar no sul do Brasil.
    Aliás de dois corações, pois o Henrik por incrível que pareça lembra bem da minha amiga Fabi nova que canta e que tem um piscinão no pátio do ap que ela mora (ele sempre comenta isso quando me vê lendo o teu blog.
    Ah! E claro, agora enche o peito de orgulho pra falar da amiga Fabi da mamãe que fugiu com o circo mais pomposo do universo! (ele mesmo diz assim, com essas palavras "sabia que minha mãe tem uma amiga - a Fabi nova - que fugiu com o Circo de Soleil, o circo mais pomposo do universo?!" hahahahaha).
    Beijo de afeto (nas pálpebras)

  • Anônimo | 23 de maio de 2011 14:42

    Hi Fabi,

    Yo también oí a Fabricio hablar sobre lo interesante que es conocer a gente nueva... pero cuando me lo contó a mí la historia tenía un final feliz... me dijo que "siempre tendras personas a las que visitar en cualquier lado del mundo" (no me dijo nada de la "saudade"...)

    Sería que querría consolarme en ese momento????!!!

    Muchos besos.

  • Fabi Magni | 23 de maio de 2011 20:18

    @Sayo: que lindas tuas palavras! Que bom ter encontrado teu blog! Assim poderei te visitar e desfrutar de tua arte, um pouquinho cada dia... e quem se enche de arte, nao está só, nunca! Obrigada! Beijooo!

    @Pimentinha meu amor: ai que saudade d´ocê!!! E do Ike que deve estar um homenzinho (e lembra de mim) :)) Estas sao as mensagens que me deixam feliz... amigas queridas, gente do bem, fazendo constantemente o bem! Lembro que passamos por poucas e boas juntas... mas sempre na luta por um mundo melhor. De uma coisa tenho certeza, nós plantamos diariamente uma sementinha para um mundo melhor... nem que seja com nosso sorriso! Uma beijoca especial em vocês todos, aparece sempre que quiser e nao deixa de comentar, assim parece que estamos tomando uma ceva juntas :)) muito amor!!!

    @Edurne, mi amiga!!! Yo te dije, no se puede fiar de Fabricio, hahahahahhaha!! Pero creo que, mismo sin saberlo ya lo puedes sentir... conocemos a la gente, y luego os echamos de menos... que el corazón hay que ser muyyy fuerte para guentar todo esooo!! un besazooo guapa!! gracias por los comentários!!!!!! asi "mato um pouco a saudade"

  • thali* | 26 de maio de 2011 19:26

    Esquadros, esse foi a música que um grande amigo me ofereceu um dia no meio do seu show acústico, dizendo que eu era uma ótima amiga e que eu ando pelo mundo divertindo gente. ahhahah =D

  • Lia Tansini | 29 de maio de 2011 22:41

    Oi, Fabi! Essa sensação de falta é o que chamo de a marca da vida adulta. Quando eu era criança as pessoas me diziam que eu não tinha problemas porque não tinha contas a pagar. Na verdade, os problemas da vida adulta não se resumem a contas. Não sei se ninguém nos explica isso direito ou se nós é que somos muito jovens para entender antes de chegar a nossa hora, mas o fato é que não somos preparados para lidar com todos os aspectos do crescer. No fundo, o que se sente é uma profunda solidão. Não que seja ruim, porque nos obrigamos a aprender a fazer as coisas por nós mesmos, mas a saudade de ter alguém com contar a qualquer tempo é inevitável. Obrigada pela visita no blog. =]Andei sumida, terminando trabalhos. Grande abraço e muita força! Novos ares se aproximam!

  • esta bom do coração! | 3 de junho de 2011 12:34

    Acho que estão faltando:
    renatao, renatao, esta bom do coracao,a maravilhosa karin (só 4 dolar!) e Lukas martins coelho neto
    Querida Fabi,
    saudade grande! Desculpe a distância...curando ainda as sequelas!
    Muita saudade de você e do D. Pedro 1. Quem deu notícias esses dias foi o grande Caco!
    Você está aqui no nosso coração!
    Re

  • esta bom do coracao | 3 de junho de 2011 12:36

    esqueci do:
    nojeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeenta!!!!!!!

  • Fabi Magni | 8 de junho de 2011 04:12

    Hahahahah!! Renatao, Renatao, tá bom do coraçao!! hahahah!! claro que eu nao esqueci de voces... esse texto se refere a este tour que estamos agora :) Voces foram e sao muito especiais e importantes para mim!! Beijocas!!!

  • Anônimo | 11 de junho de 2011 05:13

    Adorei este texto. Vou copiar trechos, talvez para publicar no face. Com a devida autoria. Lendo aos poucos os textos e adorando. Beijocas.
    Sílvia