coração na mão

Feliz da vida com minha família e meus amigos, mas com o coraçao na mao sem saber do destino do Fabri. Pra mim, se ele viésse para o Brasil, seria a melhor coisa do mundo. Ter ele pertinho. Mas vamos lá que nossa vida nao é perfeita e nem tudo acontece como planejado. Eis que toca o telefone.
Era ele! Uma voz super feliz dizendo que tinha uma novidade!
Eu fiquei toda emocionada e feliz também, esperando que ele falasse o que era!
Ele tinha conseguido o trabalho na turne que estava começando no Canadá e em seis meses iria para os EUA!
Bummmm!! Meu mundo caiu. Foi como se joga-se um balde de água fria na cara. Quem é esse cara pra ficar feliz sabendo que está indo pra longe de mim??? (ps: narcista eu?? sai pra lá, é só teu pensamento, hehe) Pedi para falármos depois, porque naquele momento nao tinha mais o que conversar.
Desliguei o telefone puta da cara, nao sabia o que dizer.
Estava indo encontrar meus amigos.
Todos me viram com aquela cara de enterro. Expliquei o que tinha acontecido, mas nao queria falar sobre isso, depois teria que pensar sozinha o que significava tudo, a minha atitude, a atitude dele, os meus sentimentos de raiva naquele momento.
Sorte que penso comigo. Porque depois de ficar P. da vida, pude ir me acalmando. Pensando e repensando tudo isso.
Porque ele estava feliz de ter conseguido o trabalho, sabendo claramente que isso nos afastaria?? Ele gostava de mim tanto quanto dizia ou era lorota? LOROTA. Era lorota. Grrrrhghgh!!
"Fabiana, tu precisas falar com ele...." disse eu ego. "...calma, nao começa processo psicótico que nao vai adiantar."
Precisa falar com ele. Entender tudo, saber tudo e, os dois, abrirem o jogo. Afinal, que pasa?
Conversamos, acho que no outro dia (nao lembro bem) e aí fui entender a felicidade. Lembra que ele estava concorrendo para duas vagas de trabalho? Uma turne estava indo pra Europa e a outra pros EUA. Se ele conseguisse o trabalho da que estava indo pra Europa, nao nos veríamos mais... da Bélgica ele seguiria direto com o outro circo. A vaga do tour nos EUA daria direito a ele ficar 3 meses no Brasil, só começaria a trabalhar em abril (estávamos em Dezembro). Afinal, foi essa última vaga que ele conseguiu. Ele estava vindo para o Brasil em para o Reveillon!

Ah, sim, esqueci de comentar. Ele disse que iria para a Rússia, aprender russo e depois para o Brasil. Mas isso foi logo que nos conhecemos, porque depois dos dois meses que tivemos juntos, essa história foi desaparecendo e, sem eu falar nada, ele nunca mais tocou no assunto! Desistiu por ele mesmo. Até porque sempre que falava disso eu dizia: nossa, acho que pode ser uma experiência ótima! Mas ele nao foi, preferiu passar mais tempo no Brasil para ficármos juntos!
Bom? Nao sabia o que pensar. Feliz? Claro que estava feliz, mas em dúvida com isso tudo.

1 comentários:

  • Adinês | 8 de abril de 2011 08:03

    Fabi!!!!!!!!!

    Que lindo teu blog!!!!!!!!!
    Agora vou me deliciar com as narrativas!!!!!Estamos com saudades(muitas) de vcs!
    Já estou te seguindo!!!!!!!Oba!!!!!
    Um bjão para ti e o Bício!!!!